egypt
AR
belarus
BE
bulgaria
BG
bangladesh
BN
bosnia
BS
spain
CA
czech_republic
CS
germany
DE
greece
EL
usa
EM
great_britain
EN
esperanto
EO
spain
ES
estonia
ET
iran
FA
finnland
FI
france
FR
israel
HE
croatia
HR
hungary
HU
indonesia
ID
italy
IT
japan
JA
georgia
KA
india
KN
south_korea
KO
lithuania
LT
latvia
LV
india
MR
netherlands
NL
norway
NN
india
PA
poland
PL
portugal
PT
brazil
PX
romania
RO
russia
RU
slovakia
SK
serbia
SR
sweden
SV
ukraine
UK
vietnam
VI
china
ZH

A memória precisa da linguagem

Quase toda a gente se lembra do primeiro dia da escola. Porém, não nos conseguimos lembrar de tudo o que aconteceu antes dessa data. Dos primeiros anos de vida não temos praticamente nenhuma recordação. Mas porque é que isto acontece? Porque é que não nos lembramos daquilo que vivemos quando éramos bebés? A razão prende-se com o nosso desenvolvimento. A língua e a memória desenvolvem-se praticamente ao mesmo tempo. Para se recordar de alguma coisa, o ser humano precisa da linguagem. Ou seja, ele precisa de ter palavras para o que vive. Os cientistas conduziram vários estudos com crianças. Nos quais fizeram uma descoberta interessante. Assim que começam a falar, as crianças esquecem as suas experiências anteriores. O início da linguagem é, portanto, também o princípio da memória. Nas primeiros três anos de vida, as crianças aprendem imenso. Todos os dias experienciam coisas novas. É também nesta idade que vivem muitas experiências importantes. Apesar disso, nenhuma destas experiências permanece na memória. Os psicólogos apelidam este fenómeno de amnésia infantil. Só as coisas que as crianças conseguem nomear é que permanecem. A memória autobiográfica preserva as recordações pessoais. Funciona como um diário. Nela é armazenado tudo aquilo que é importante para a nossa vida. Deste modo, a memória autobiográfica forma também a nossa identidade. O seu desenvolvimento depende, porém, da aprendizagem da língua materna. E só através da nossa língua é que podemos ativar a nossa memória. Claro que as coisas que vivenciamos quando éramos bebés não foram apagadas da nossa memória. Estão armazenadas em alguma parte do nosso cérebro. Só que não podemos mais aceder a elas... - é realmente uma pena, não é?

text before next text

© Copyright Goethe Verlag GmbH 2015. All rights reserved.