egypt
AR
belarus
BE
bulgaria
BG
bangladesh
BN
bosnia
BS
spain
CA
czech_republic
CS
germany
DE
greece
EL
usa
EM
great_britain
EN
esperanto
EO
spain
ES
estonia
ET
iran
FA
finnland
FI
france
FR
israel
HE
croatia
HR
hungary
HU
indonesia
ID
italy
IT
japan
JA
georgia
KA
india
KN
south_korea
KO
lithuania
LT
latvia
LV
india
MR
netherlands
NL
norway
NN
india
PA
poland
PL
portugal
PT
brazil
PX
romania
RO
russia
RU
slovakia
SK
serbia
SR
sweden
SV
ukraine
UK
vietnam
VI
china
ZH

Quem entende quem?

Existem, aproximadamente, 7 milhões de pessoas em todo o mundo. Todas têm uma língua. Infelizmente não se trata da mesma língua. Para conseguirmos falar com pessoas de outras países, precisamos, pois, de aprender noutras línguas. Por vezes, pode ser muito cansativo. Todavia, existem línguas que são muito parecidas. Os seus falantes conseguem comunicar sem dominarem a língua de um e do outro. Este fenómeno é designado como inteligibilidade mútua. Podem ser distinguidas duas variantes. A primeira variante é a inteligibilidade mútua oral. Neste caso, os falantes compreendem-se quando falam entre si. No entanto, não compreendem a forma escrita da outra língua. Isso acontece porque as línguas têm caracteres diferentes. Um exemplo disso são as línguas hindi e urdu. A segunda variante é a inteligibilidade mútua escrita. Neste caso, a língua é compreendida na sua forma escrita. Quando falam entre si, os falantes têm dificuldade em se compreender. A causa disto é a grande diferença de pronunciação. Um exemplo disso são as línguas alemã e holandesa. As línguas mais próximas incluem as duas variantes. Ou seja, elas são mutuamente inteligíveis, quer na forma oral quer na forma escrita. Bons exemplos disto são o russo e o ucraniano assim como o tailandês e o laosiano. No entanto, existe igualmente uma forma assimétrica da inteligibilidade mútua. Trata-se do caso em que os falantes se compreendem um ao outro, mas de um modo diferente. Os portugueses entendem melhor os espanhóis do que os espanhóis aos portugueses. Também os austríacos compreendem melhor os alemães do que o contrário. Nestes dois exemplos, quer a pronúncia quer a variedade dialetal constituem um obstáculo. Quem realmente quiser ter uma boa conversa, tem que aprender mais qualquer coisa...

text before next text

© Copyright Goethe Verlag GmbH 2015. All rights reserved.